24 de fev de 2010

Criar asas e não saber voar.

Deixar a casa dos pais mesmo que ainda continue vivendo à custa do suor deles é um tanto quanto estranho. E sair sem ter certeza do que me espera aqui é ainda mais confuso, mesmo porque durante o tempo dessa mudança a desconfiança nos olhos alheios, é o que mais me impressiona. Talvez seja cobrar demais dessas pessoas um pouco de incentivo, uma palavra de esperança ou até mesmo um “Boa sorte”. Eu entendo meu fracasso. Mas estou lutando para que elas entendam que ainda há um futuro bom a me esperar, mesmo que não seja tão brilhante e poderoso como o delas.


Embora não tenha semana que deixei meus pais, percebo enfim o amor incondicional deles. Eu que nunca havia escutado um “Te-amo” do meu pai, hoje me emocionei com as palavras e o pedido desesperado que eu retornasse. Deus sabe o quanto desejaria ficar ao lado deles por toda a vida e o quanto rezo pela paz em minha família, tenho ótimos pais que me ensinaram os grandes valores da vida.

Amanhã começo meus estudos, e vou com a esperança de uma criança, estou indo com o pé direito a caminho dos meus objetivos.

Entendi enfim que foi preciso deixar meu lar, criar asas e voar, mas sei que jamais esquecerei o caminho de casa, por mais alto que seja meu vôo. Na rua Valencia mora meu coração.

Tenho porém, que aprender a administrar o que não se administra, Saudade.

Saudade, que talvez tenha tornado uma palavra fraca diante de toda a angústia em deixar meus amores e seguir sozinha.

Deixei-os, entretanto todos sabem o quão especiais são em minha vida.

Sinto saudade, do cheiro das amizades, do olhar do meu amor, do sorriso dos meus pais.

Espero que tanta saudade e tantas despedidas tenham algum sentido no fim da estrada.

Saibam , quero todos juntos brindando o meu sucesso, que só acontecerá se for permitido a mim o apoio de todos meus afetos.



Não esqueçam de mim, amigos

Não suma e mim, amor

Não percam a fé em mim, pais

Não deixe que nada atrapalhe meu caminho, Deus





Boa noite, mesmo que só em pensamento.

Sinto sua falta.

Nenhum comentário: