23 de nov de 2009

Saudade..


Ao mudar para Amsterdã senti os ímpetos de estar em terra desconhecida, faltou-me naquele instante chão. Logo eu, conhecida como durona sentia-me fraca, um ser jogado no Mundo. Foi difícil aprender a administrar a SAUDADE. Foi preciso que eu viesse a um lugar distante para crer que a nostalgia é coisa séria.
Nos primeiros meses vivi como se estivesse em um livro de memórias que diferente dos Beatles não rasguei os personagens do meu cartaz, pelo contrário estão juntos, intactos e imutáveis em mim. Revivo em meus pensamentos todos que fizeram parte da minha Sina.
Saudade, quanta saudade ainda sinto. Por onde andará meu amigo Helano?Será que ainda gripa no verão? Será que todas as noites o chocolate quente ainda está na cabeceira da cama? Ainda contempla o movimento do Zodíaco? Não sei.
Quanta falta me faz as conversas sem propósito nas tardes de sábado, as risadas, os lamentos. Só quem abandona seus laços compreende como o banal é admirável.  Aflição descobrir em outros linguajares que saudade não tem tradução.


Marina R. Gontijo Teixeira 



MINHA VIDA (IN MY LIFE)
(Original: John Lennon & Paul Mc Cartney)
(Versão: Rita Lee)

Tem lugares que me lembram
minha vida, por onde andei
as histórias, os caminhos
o destino que eu mudei
cenas do meu filme em branco e preto
que o vento levou e o tempo traz






Nenhum comentário: