3 de abr de 2010

Como vai você?


Eu aspiro aquele passado de volta, aquela menina, aquele menino, aquela ciranda de nós dois. Lembrar hoje de tudo que passou me confunde o pensamento, será mesmo que você nunca foi nada do que pareceu ser? Não, por favor, diga que não. Que todo esse reboliço de agora não passa de desencontros. Você me veio tão inesperado e tão doce, subitamente penso, onde está o menino dos meus olhos? Cadê aquele moleque que sorria só pra mim? Não meu bem, não o deixe morrer em você. É um menino tão quieto, tão suave, tão feliz. Hoje não tem calma, não tem porto nem sossego. Fico em dúvida, se nunca teve calmaria nem quietude, se aquele tempo não passou do tempo de encanto.

 (No ouvido: Nara Leão) 
 Até um dia, até talvez
Até quem sabe
Até você sem fantasia
Sem mais saudade

Agora a gente
Tão de repente
Nem mais se entende
Nem mais pretende


Seguir fingindo
Seguir seguindo
Agora vou pra onde for
Sem mais você


Sem me querer
Sem mesmo ser
Sem me entender

Nenhum comentário: