7 de nov de 2009

Liberdade

 .


Tenho horror a prisões sejam elas físicas ou mentais.
Meu cadáver não nasceu para ser restrito.
Minha alma bebe da fonte Liberdade.
Clemência a aqueles que tentam me sufocar com a vida limitada.
Toda essa sujeição não me pega.
Anseio espaços, preciso de livre-arbítrio, sou pássaro que voa.
Não aspiro cruzar a brevidade da vida em um casulo.
Gosto de sentir a aura leve.
Meu bel-prazer.


Marina R. Gontijo Teixeira

Nenhum comentário: