2 de nov de 2009

Bom senso




E no médio daquela psicose ouço a definição de bom senso, tê-lo é deixar de fazer algo por estar restrito. Vidas limitadas, dançando segundo a música social, todos nós ovelhas do sistema.
 Sistema que torna plausível a ponderação das ações, cunhando como produto final indivíduos reprimidos, abafados, contidos. Dominando o poder de percepção de tal modo que elimina qualquer intento de mudança, degrada e mortifica. /
Os não corrompidos e manipulados  que tentaram transformar de algum modo a sociedade foram julgados insanos e rapidamente acabaram submergidos
Sobrou nós, envolvidos nessa lama, sujando o futuro pela inércia do bom senso.




II
"Eu acordei, legal essa manhã
Manhã cinzenta e muito quente
Me lembrou, uma dos anos 60
Quando eu era um jovem cabeludo
Sem grana no bolso
Com muitos sonhos na cabeça
E sem rancor no coração
Vivia sentado nas calçadas
Sujando o jeans
Irritando as pessoas
Fazendo desordens
Oh yeah, mexa-se boy!"
(Made in Brazil)


Marina R. Gontijo Teixeira

Nenhum comentário: