27 de out de 2009



Remoendo meus pensamentos, cheguei aqui, ponto da minha inquietação. Durante um tempo passei momentos felizes, virada de ano engraçada, jogos viciais, conversas sem nenhum desígnio, andando a esmo por ai. Eu realmente pensava que havia encontrado um amigo. Mas como tudo proferido por mim  é conturbado ,essa amizade a qual queria vivê-la por décadas, acabou por desandar.  Desandou por falta de cuidado, por impulso, por palavras dolentes, por não aceitar defeitos, desandou por desandar, por diz-que-diz de pessoas que por algum motivo não gostavam do nosso acordo mútuo. Ferimos um ao outro densamente. Minhas expressões faladas sem nenhum intento, ditas sem malícia acabou por fazer um furacão. O ato reflexo veio forte, machucou minha alma tão corroída, fiquei estática ao perceber que sabia tão pouco de mim. É como se uma raiva assombrosa tomasse conta do seu ser e invadisse seus atos, deflagrando-me.  Deliberei afastar, vestir alcance, assim a minha aflição não transformaria meu sentimento de querer-te bem em nada, abandonei meus laços a você.

Demando perdões pelos meus ditos que te injuriaram e benquisto tuas desculpas. Um dia quaisquer pouco maduros e plácidos os nosso Satélites embarcarão em uma mesma órbita , desconchavando nossos desencontros retilíneos.


Um comentário:

Ѽ мαн Ѽ disse...

LIndo Texto~~
B'jS
By^^Mááh