11 de fev de 2011

Metáfora pra quetequero...

Calça Jeans

    A gente percorre lojas e lojas em busca de uma calça que modele o corpo da forma desejada, seja para esconder gordurinhas, para modelar o corpo( umas gostam de esconder o bumbum, outras já de marcá-lo bem). O fato é que todas nós mulheres vamos sempre à procura da calça jeans ideal. Buscamos nos corredores cheios a peça que mais se encaixa no nosso querer daquele momento.  Chegamos em casa, experimentamos umas duas ou três vezes, algumas arrependidas outras confusas, enfim rancamos a etiqueta.[                                               Rancar etiqueta das coisas é um dos atos mais extraordinários e que deve ser motivo de muito estudo entre os estudiosos de plantão, qualquer ser humano sente um prazer enorme em rançar uma etiqueta. Acho que rola aquele negócio de conquista e de se apropriar de fato de algo, seres humanos sentem necessidade de possuir e como na maioria das vezes pessoas não se possuem ,inventaram então as “coisas”. Mas nem é esse o lugar que quero chegar com as minhas calças].
    Após tirar aquele papelzinho fora, a calça já nos pertence, admiramos a beleza nova dela, com todos os bordados e costuras impecáveis. Mas é só na primeira saída que sancionamos de fato se o corte lhe caiu bem. Mas em maior parte as calças dão trabalho, quando nos primeiros passos você já sente certo nível de caimento e passa a noite toda “sungando-a” , ou então acaba com a barra de tanto pisar em cima, e fato que algo de muito desastroso acontecerá.
    Inventaram as calças Jeans para darem trabalho mesmo, pra gente ter que ir a duas costureiras diferentes para mandar apertar no cós, fazer a barra, apertar dos lados, trocar o zíper que estourou porque você achou que depois de tantas calças ficarem largas a próxima você deveria comprar um número menor, quase que desmancha -la de novo e nem sempre/nunca ficamos satisfeita com os consertos.

   Então chegamos em casa e aquela calça velha no armário, aquela surradinha, desbotada, a danada deu trabalho pra ficar nos trinques e depois de tanta trabalheira, justo agora , ela nem serve mais, ou damos uma cortada pra virar um short que de vez em quando lembramos de usar, ou doamos , passamos pra frente. O corpo muda e vamos à luta de novo, achando ótimo ir às compras.Só quando o negócio fica sério e levamos pra casa, que percebemos o trabalho que vai dar pra danada  ficar nos conformes.

Um comentário: